quarta-feira, 22 de maio de 2013

Usos mais comuns das ervas aromáticas

Ervas aromáticas
  

As ervas aromáticas são um óptimo substituto do sal, conferem sabor e aroma aos cozinhados e não provocam a subida da tensão arterial.  

Na altura de preparar pratos de culinária, que tal apanhar as ervas aromáticas necessárias logo aqui, na horta? Acreditem, faz toda a diferença pelo sabor e pelo prazer.


Segurelha
As variedades de Inverno e de Verão desta erva sabem vagamente a tomilho, mas são mais amargas. A segurelha de Inverno é ligeiramente mais suave. Utiliza-se (com discrição) em sopas de feijão verde, feijão com massa, em guisados e carne estufada.


Salva
Para combinar com tomate, alho e azeite, a salva é uma erva óptima quando utilizada com carnes gordas, como a de porco ou pato, ou com fígado. Também fica surpreendentemente bem em carne estufada com tomate, assim como em pratos quentes com queijo. A salva tem um sabor potente, pelo que deve ser usada com parcimónia. É excelente para recheios.



Orégãos
Estreitamente relacionados com a manjerona, mas de sabor mais forte e aromático, os orégãos são muito úteis, pois são a única erva que fica melhor seca do que fresca. Ligam bem com carne, frango, legumes e com queijo e ovos. Esta erva é muito conhecida pela sua utilização nas cozinhas italiana, grega e portuguesa.



Tomilho
É adequado para pratos de longa cozedura e estufados. Ao contrário da maior parte das ervas, com excepção dos orégãos, o tomilho é tão bom seco como fresco. É maravilhoso com borrego, mas também é bom com porco, frango, peixe e ovos. Deve ser utilizado com parcimónia porque o seu sabor se sobrepõe facilmente a todos os outros.



Coentros
As folhas, as raízes, os caules e as sementes desta erva, fortemente aromática, têm gostos levemente diferentes. As folhas frescas são bonitas e dão imediatamente um gosto exótico a qualquer prato, se forem adicionadas antes de servir; também são excelentes em saladas e como guarnição. Pode cozinhar as raÍzes e os caules nos estufados e sopas, mas retire-as antes de servir.


Manjerona
É uma erva adocicada, semelhante aos orégãos, mas muito menos agressiva. O seu sabor delicado é destruído pela cozedura prolongada, pelo que é preferível adicioná-la pouco antes de servir. É boa quando adicionada a frango estufado ou sopa de legumes.



Cebolinho
Os caules, de cor verde-viva, desta erva têm um gosto a cebola, o que faz deles uma guarnição ideal para saladas e sopas de tomate, recheio de batatas assadas e pratos de ovos.



Hortelã
Como alternativa ao molho de hortelã, é excelente espetada num assado ou estufado de borrego; picada, fica bem em sopas de creme e em almôndegas. Tem um sabor interessante quando adicionada a molhos picantes de frutas e especiarias, a groselha negra, ameixas e outros frutos de Verão em calda, e fica óptima em saladas de fruta. A hortelã picada também pode ser espalhada sobre legumes cozidos.


Estragão
Uma erva com um sabor forte mas subtil. O estragão é famoso pela sua aplicação em frangos, manteigas, molhos, ovos e peixe, mas também pode ser usado na carne e peças de caça e em tempero de saladas.


Poejo
Tempera saladas de frutas e verduras, aromatiza sucos e drinques. Chás refrescantes de verão e também usado nos molhos de mentas para acompanhar carnes de carneiro e ovelha.



Endro
Fresco ou seco, o endro é utilizado principalmente para aromatizar sopas, molhos, picles e salmão em salmoura. O endro fresco tem um excelente sabor e realça o gosto das saladas, caldeiradas, batatas e outros legumes, quando adicionado no último momento.
Uma mistura de camarões, natas acidificadas e endro constitui uma entrada deliciosa e rápida.


Alecrim
Muitas vezes usado com borrego, o alecrim também é excelente com carne de porco, coelho, frango e salsichas.
Tem um sabor forte, pelo que convém usá-Io parcimoniosamente e finamente picado. Os pés inteiros fazem uma boa base para grelhar carne ou criação. Experimente-o em infusão em pratos doces, como cremes, molhos doces, xaropes e gelado de baunilha.



Erva Cidreira
Estas folhas frescas têm um sabor e um aroma semelhantes ao do limão. Utilizam-se as folhas inteiras em ponches e bebidas de frutas e as folhas cortadas em sopas e saladas.




Salsa
As propriedades medicinais da salsa são conhecidas há mais de 3000 anos. Egípcios e gregos o apreciavam pelo sabor suave e calmante. É um bom edulcorante (correctivo de sabor) em preparados farmacêuticos e de confeitaria. Acompanha muitos pratos como enfeite.



Hortelã da ribeira
Usada como condimento para caldeiradas e como chá para tratar das constipações, tosse e bronquite
Actualmente já quase não existe e ninguém a conhece, porque se assemelha ao poejo e que toda a gente lhe chama poejo, sem o ser. O cheiro é aparecido , a diferença é nas folhas que são mais miúdas.



Hortelã pimenta
Usualmente, essa planta é utilizada para aliviar os sintomas de gripes e resfriados devido às suas propriedades descongestionantes acarretadas pela presença da substância mentol.As folhas  da hortelã-pimenta podem ser utilizadas no tempero da comida (caldeiradas por exemplo) – além do gosto agradável, a planta já ajuda na digestão da refeição. O chá ajuda a emagrecer, adicione 15g de de hortelã pimenta a 250ml de água fervente e beba.


Aipo
O aipo pode ser totalmente utilizado, desde a raiz até as folhas, podendo ser adicionado às receitas culinárias ou sob a forma de chá.Existem diversas receitas onde pode-se acrescentar o aipo. Algumas delas são nas almôndegas, cremes, molhos ou sopas, saladas e nos assados, como nas empadinhas e no empadão, por exemplo. O aipo também pode ser utilizado fatiado em rodelas nas saladas cruas, embora desta forma seja contra indicado em caso de diabetes.

As ervas aromáticas são um óptimo substituto do sal, conferem sabor e aroma aos cozinhados e não provocam a subida da tensão arterial.  

Aqui ficam resumidamente os  usos mais comuns:

Aipo – Sopas estufados, guisados e cozidos de carne

Alecrim – Coelho, porco, aves e grelhados ao ar livre

Alho – Sopas, molhos frios, carnes e peixe

Cebolinho – Saladas e pratos de ovos

Coentro – Saladas, sopas, arroz, massas, ervilhas e favas

Erva cidreira - Carnes, saladas e chá

Erva-doce – Castanhas cozidas e bolos

Estragão – Saladas, aves, molhos, conservas e vinagre

Funcho bravo – Peixe grelhado e caldo para cozer peixe

Hortelã comum– Carne de borrego, sopa panela, cozido e ervilhas

Hortelã ribeira - Caldeiradas e sopas de peixe

Louro – Carnes, peixes, aves e sopas

Manjericão – Carne, peixe, massas e cozinhados com tomate

Manjerona – Pizas, empadas, espetadas e peixe assado

Menta – Sopa peixe, refrescos, licores e doces

Orégão – Cozinha italiana, saladas, peixe, carne e caracóis

Poejo - Sopas, açorda alentejana e licores

Salsa – Faz parte do ramo de cheiros

Segurelha – Ervilhas, sopas feijão verde ou seco e sopas de peixe

Tomilho – Coelho peixe e cozinha italiana     

3 comentários:

  1. Viva João
    É verdade sim senhor, as ervas diminuem a necessidade de sal, cá em casa usam-se com frequência, aliás foi pelas ervas aromáticas que me comecei a dedicar à agricultura.
    Cumprimentos
    João Gomes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mesmo se passa cá por estas bandas

      Cumprimentos

      João Pereira

      Eliminar
  2. Meu Amigo...
    Ora aqui está uma excelente decisão: Criar um colecção de Plantas Aromáticas. Mas deixe que o alerte para uma coisa: É vício que não tem cura. Agora que começou, nunca mais vai parar... E eu sei do que falo!

    Um abraço

    João

    ResponderEliminar